quarta-feira, 30 de julho de 2008

Ação

Meus olhos não uso só pra ver,
Queriam ser lente fotográfica
Os ouvidos, amplificadores
A cabeça, papel e tinta
A boca, autofalante
Os sentidos, gente inteira
Cada um, todos juntos
O corpo, no mundo
Os gestos, transformações
no corpo do mundo

Os espíritos sem véus
Tentam velar por outros
Só de não ficarem parados
Já é algo mais que nada
É mais. É muito
É movimento:
A diferença que faz falta,
Que esvazia os vazios,
Que faz

3 comentários:

Grande Rael disse...

=))

Renata disse...

é tão estranho quando a gente quer ser tudo, e depois ver que nós somos somente humanos...

sobressalto disse...

gosto da sua coragem de escrever poesia
eh uma que eu nao tenho.
sabe q dá certo!
hauhuahuahuahua